sábado, 12 de setembro de 2009

Dez



Não force a rima
Deixe que ela...
Force-o a sê-la!

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Dicotomias



Eu X você
E por que não?
Eumaisvocêjuntos X ...mais nada!

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Canção IX



Quem dera todos inebriarem-se
Do mais puro e fresco aroma
No mais ingênuo e real sentimento
Entrelaçados no alto recôndito de suas almas...

Quem dera todos, enfim, pudessem
Esvaecerem-se das sôfregas ânsias
E encontrar na rima trégua bonança
Para as ilusões do mar da vida sem fim...

Quem dera fosse possível comprar poesia
Em caixinhas de papelão vazias
Untadas do sangue esvaecido
Das linhas de lirismo esquecidas...

Quem dera se pudesse comer poesia
E qu'ela carregasse toda ânsia
Enrijasse todas as partes desfeitas...

Quem dera exalar aromas de rimas
E que eles exalassem a vida
De quem planta, mas não vê crescer...

Quem dera a vida inteira fosse poesia
E as palavras todas fossem versos
E os órgãos todos formassem estrofes
E a morte, a Ode culminante da própria vida.

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Do estilo

Fere de leve a frase... E esquece... Nada
Convém que se repita...

Só em linguagem amorosa agrada

A mesma coisa cem mil vezes dita.

(Mario Quintana)



sexta-feira, 14 de agosto de 2009

De parte em parte



De parte em parte
Tudo se faz uma só
Parte...

Metade, repartida
em outras partes.

Parte de mim não parte
Outra não te reparte.

Parte de mim partilha
Sua parte comigo
Outra me lhe é abrigo...

Parte de mim lembra você
Outra faz a lembrança ser você!

Parte, que aparte me traz
Você como minha parte
Que reparte-me contigo.

Uma parte de mim lembra você
A outra não consegue te esquecer!

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Al-Chaer!

AO dia que hoje te felicita
AL egrias, felicidades, sucesso
Em sua vida...paz, amor
Que Deus o AL bençõe!

sempre...

"A 903514 prevalece".

quinta-feira, 30 de julho de 2009

O que o vento não levou...



O que o vento não levou...
No fim tu hás de ver que as coisas mais leves são as únicas
que o vento não conseguiu levar:

um estribilho antigo
um carinho no momento preciso
o folhear de um livro de poemas
o cheiro que tinha um dia o próprio vento...

(Mario Quintana)

quarta-feira, 29 de julho de 2009

uma estrofe...



"O dia mente a cor da noite
E o diamante a cor dos olhos
Os olhos mentem dia e noite a dor da gente".
(Fernando Anitelli - OTM)

terça-feira, 28 de julho de 2009

08

Meu peito eclode de virtudes
Não mais apenas minhas
Compartilhadas de carinho
Não mais sozinhas

Minhas lágrimas enchem meu peito
Não mais apenas minhas
Cheias de saudade se fazem
Não mais sozinhas

Meus dias que a ti entrego
Não mais apenas meus
Estão cheios de você e me fazem
Não mais sozinho

Minhas palavras perdem a razão de ser
Não mais somente minhas
Mas sim, nossas palavras que falam
Não mais sozinhas.

segunda-feira, 27 de julho de 2009

Como um presente

Penso já não mais em mim
Mas no instante que se faz
Entre nós, entre tudo
Entre tudo o que nos faz...

Sonhar, com um futuro presente
Presente de quem futuramente sonha;

Mal consigo explicar o futuro
Que vem como presente...
No presente que levei para o futuro

Futuramente estarei
De volta com meu presente
Presente que me faz
Presente em você!!

domingo, 26 de julho de 2009

Domingo

Domingo, foi ontem;
Assim como ontem te encontrei
Num domingo, pensando
Longe, de repente.

De Repente, pensando
De longe, num domingo
Eu te encontrei:
-Foi ontem.

No domingo que te encontrei
Eu passei ontem,
Pensando...

Ontem, foi o dia que passei
Pensando num domingo
No domingo em que te encontrei.

sábado, 25 de julho de 2009

05

Eu queria fazer um poema
Capaz de conter toda a métrica
Réplica, tréplica e épica...
Tudo de uma só vez.

Não fosse a minha mocidade
Infantil, plena e incandescente
Não fosse o desprezo a forma
Espessa, mórbida, fétida.

Faria eu, um dia tal poema
Com todas as qualidades possíveis
Seria a descrição mais rara.

Seria assim...consegueria assim
Matar minha tara com ele - meu poema -
Meu apogeu premiado e inédito.

Não fosse o afago desmobilado
A fraca alma insonsa e vã
A humanidade que me fere...

Faria um dia um poema
Trágico e inesgotável
E não acabaria aqui, assim,
Feito uma alma que fracassa.

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Disfarce (ou sétima canção)

Desfez-se o mistério,
Ontem, amanhã
o sol, a manhã
O dia, depois, agora

Desfez-se tudo
Sonhos, medos
Vultos, sussurros
Memórias, vitórias...

Desfez-se quimeras,
Paixões, sensações
Nada, de novo,
Emoções...multidões

Tudo
Desfez-se...
Nada mais restou

Nada mais deixou-me só...

A não ser mais nada
que aquele antigo nó
Nó que por nó se fez
Nada mais que pó.

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Linda Menina (ou 06)

Perdoe-me a simplicidade,
Porém é grande a saudade,
E meu peito que chora
Pela distância de você;

Eis, porém,
Que a distância me alegra
Por saber e sentir de verdade...

Que de verdade penso em alguém...
Que esse alguém é você!

terça-feira, 21 de julho de 2009

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Bons Amigos

*homenagem ao dia do Amigo.
Abençoados os que possuem amigos, os que os têm sem pedir.
Porque amigo não se pede, não se compra, nem se vende.
Amigo a gente sente!

Benditos os que sofrem por amigos, os que falam com o olhar.
Porque amigo não se cala, não questiona, nem se rende.
Amigo a gente entende!

Benditos os que guardam amigos, os que entregam o ombro pra chorar.
Porque amigo sofre e chora.
Amigo não tem hora pra consolar!

Benditos sejam os amigos que acreditam na tua verdade ou te apontam a realidade.
Porque amigo é a direção.
Amigo é a base quando falta o chão!

Benditos sejam todos os amigos de raízes, verdadeiros.
Porque amigos são herdeiros da real sagacidade.
Ter amigos é a melhor cumplicidade!

Há pessoas que choram por saber que as rosas têm espinho,
Há outras que sorriem por saber que os espinhos têm rosas!
(Machado de Assis)
"Não é amigo aquele que alardeia a amizade: é traficante; a amizade sente-se, não se diz".
(Machado de Assis)

domingo, 19 de julho de 2009

Passatempo

Segunda, quarta, ontem
Amanhã, domingo e hoje
Ontem, depois, mais tarde...
Passatempo...

Passa um, passa dois
Passa quatro, dois em dois

Dias que passam se vão
Mas não são dias em vão
Passe, tempo...

São, assim mais dias que passam
A chegar outros dias que chegarão
Com a grande razão de passar
E fazer outros dias para encontrar...

Você, novamente...seu sorriso
De repente...

Passa um, passa dois, passa três
Tudo de uma só vez
Tudo se envolve, num tempo
Que passa... passa
Num passatempo.

Só o tempo que não passa
É o tempo de dentro do meu peito
Meu amor, nosso amor
Que constrói o nosso tempo.

sábado, 18 de julho de 2009

03

Bendito foi o dia em que te vi...
Bendito o momento; pressentido, vivido
Parecia que tudo girava...de modo diferente
Momento único...tudo aquilo que senti.

Bendito foi o instante passado...
Manhã aquela que me fazia comovido
Tudo muito rápido, de repente...
Era de modo diferente, não entendi.

Bendita aquela data...
Passada, vivida, pressentida
Tudo parecia acontecer
Em tempos passados...

Como se o ontem batesse à porta
Feliz manhã, sentimento inerme;
Pensamentos e idéias tortas
No rosto e peito resplandeciam-me.

Bendito, bendita, benditos sejam
Todos os sentimentos...
Que afloram na brisa da manhã
E emudecem as incertezas vãs.

sexta-feira, 17 de julho de 2009

Antes de te conhecer...

Antes de te conhecer...pensava não ser possível
com apenas um olhar, uma pessoa entrar na
vida de outra de tal forma ...
Antes de te conhecer... não sabia que
um sorriso pudesse envolver tanto...
Antes de te conhecer... eu conseguia
dormir a noite toda...
Antes de te conhecer... eu não esperava
o dia passar tão depressa para a noite chegar...
Antes de te conhecer... não sabia que a
saudade pudesse ser boa...
Antes de te conhecer...eu controlava meus pensamentos...
Antes de te conhecer... eu ja te conhecia...
pois sabia que...antes de te conhecer eu iria te conhecer..

(Scheila Mai - 15/07/09)

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Formando...

Face a face forneces teu disfarce
Faceado em farsas fascinantes;
Desfaz-se da forma febril forjada
Fazendo fáceis feições frisadas...

Em fórmulas feitas febrilmente
Fomentando figuras fissuradas;
Fá-la-ia se não ficasse desfeita
Figurar outras falas latentes...

Fortalecendo famas sedentas
Fortes fábulas sem fim...
Finais fantásticos facetados...

Que formavam figuras frívolas
Figurando favores fajutos
Fortemente finalizados, enfim.

segunda-feira, 6 de julho de 2009

04













Aqui, nessa noite que se vai

Choro meus prantos todos

Meus remorsos, tudo o que a vida me levou...

Sem que eu jamais tenha conhecido.


Choro por meus dias tristes

Às noites em que sonhei algo melhor

Dignidade, respeito, ombro amigo.


Choro porque não tive teto,

Direitos, o mínimo para se viver.

Choro porque choro não move montanhas

Minhas lágrimas se fazem insignificantes.


Choro, por assim chorar

Pois sei que meus pesos

Nunca e jamais irão passar.


Eu já não tenho casa

Já não tenho lar

Não tenho quem me tenha dignidade

Quem olhe meu sôfrego olhar.


Choro por essa humanidade

Que se diz ainda humana

Choro, por meus pares, milhares

Que se matam por um pouco de lixo.


Nós mesmos já não somos nem isso

Nem lixo dessa “linda” sociedade

Somos o abismo, a barbárie, o esquisito.

quinta-feira, 2 de julho de 2009

domingo, 28 de junho de 2009

Até que chegue o dia...

Eu continuo a esperar...
A contar as horas, os dias
Que, obtusos, insistem a se tardar;

Eu seguirei a esperar...
O momento, de ver, de sentir novamente
O seu olhar, nossos olhos a suspirar;

Eu esperarei a seguir...
Seus olhos a supirar, nosso olhar
Novamente o momento de ver, de sentir;

Eu espero a continuar...
Os dias obtusos que tardam
As horas, eu fico a contar.

[-para ver novamente teu olhar].

Adoro-A

Adoro-A
Intensamente,
Imensamente,
Somente,
Você!

domingo, 8 de março de 2009

Soneto às mulheres


Tu que és sensível e sempre bela
Sentes o fulgor das flores
E a beleza da primavera,
Faz-nos por ti suspirar de amores.

Tu que és símbolo da luta incessante
Da sua auto-afirmação e liberdade
Faz-nos surpreender a cada instante
Ao mostrar-nos sua infinda capacidade.

Tu, que és o símbolo desse chão
Dessa pátria outras vezes tão carente
Traz-nos hoje em memória a sua construção.

De seu espírito tantas vezes combatente;
Alegra-te hoje por imensa alegria
És mulher sempre, e eternizas-te este dia.
(Uilian Dalpiaz)

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Fraternidade e Segurança Pública: Campanha da Fraternidade 2009



por Uilian Dalpiaz

Começamos a partir desta última quarta-feira(cinzas) a refletir oficialmente o tempo de Quaresma. Quaresma que é tempo de conversão: esperamos a redenção maior de Cristo Jesus que a após todo o seu martírio e dor, ressuscita e salva a toda a humanidade. E é nesse tempo de penitência, reflexão e conversão, que a Igreja do Brasil reflete e aprofunda-se especialmente em algum tema que necessite nossa atenção. A Campanha da Fraternidade vem incitando-nos desde a década de 60 a realmente nos convertermos e agirmos em prol das angústias e necessidades da sociedade brasileira.

A CF 2009 traz um tema bem peculiar aos nossos dias atuais: Segurança Pública. E não à toa a falta de segurança pública mexe com vários universos, várias questões, talvez algumas até antagônicas, mas que resultam numa grande "corrente negativa" que gera violência, miséria e opressão. "Fraternidade e Segurança Pública", esse nosso tema da CF 2009 quer chamar a atenção para a falta de cultura de paz em nossa sociedade, mas, sobretudo, para a falta de cultura da Justiça, pois como o lema da CF desse ano, bem ressalta "A paz é fruto da Justiça"(Is 32,17).

Lembremos que a justiça não nasce de olhares piedosos ou do maldito conformismo que, por horas, inunda nossos corações; a justiça se faz na prática do nosso dia-a-dia, nas nossas atitudes para mudar o que está posto, no nosso voto na hora de escolhermos nossos representantes(e principalmente na constante cobrança a eles, depois de eleitos), na busca de políticas públicas para a Juventude, na partilha, doação, atenção... são vários aspectos concretos que nos chamam a encarar a realidade e como verdadeiros cristãos a seguir e cumprir o Projeto de Jesus Cristo; não simplesmente fechar os olhos para a realidade, mas encará-la, pois sabemos é difícil a nossa escolha, mas quando respondemos ao chamado de Cristo, aceitamos: "Se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me". (Mc 8,34).

Lembramos também de toda a miséria, o trabalho escravo que vitimiza principalmente crianças e jovens. Em 2007/2008 tivemos 8,6 mil casos de trabalho escravo no Brasil, segundo a CPT. E o que é mais triste, é que todos aqueles que combatem o trabalho escravo são reféns da sua luta por paz e justiça(são mais de 800 lideranças mortas só no estado do Pará) segundo dados também da CPT. Saibamos encarar a todas essas realidades que muitas vezes pensamos estar distantes de nós, mas que na verdade, acontecem embaixo de nossos olhos e não sei o porquê, não as enxergamos.

Nós jovens, estamos inseridos de modo especial também na CF 2009, basta lembrarmos que os jovens são as principais vítimas da violência, da falta de justiça e de oportunidades. O desamor, desafeto e falta de atenção em nossas casas, muitas vezes fazem dos jovens revoltados contra a tudo e todos, eles exprimem toda a sua energia e pureza de sentimentos: rejeição, angústia, depressão em atos muitas vezes que eles mesmos não têm consciência, pois a Juventude com caráter ainda em formação é alvo fácil diante à sua fragilidade frente a toda maldade que assola a humanidade. Saibamos centrar nossas energias para refletir acerca das várias injustiças que cometemos às nossas pseudo-óticas de muitas vezes explicitarmos nosso próprio conceito de "fazer justiça". Só Deus pode fazer justiça, e não à toa deu-nos seu filho, e que antes mesmo de nascer já era chamado: "O Príncipe da Paz".



Dicas aos Grupos de Jovens: A CNBB lançou junto as edições especiais sobre a CF 2009, um subsídio para ser usado nos encontros dos Grupos de Jovens, chama-se "Jovens na CF", e pode ser facilmente encontrado no site das edições CNBB ou na sua secretaria paroquial/diocesana.

Dicas de aprofundamento sobre a CF 2009:
Além de todos os subsídios da CNBB:
nesse link (clique aqui), a Revista Família Cristã traz reportagens sobre a CF na sua edição de fevereiro, bem como outros artigos facilmente encontrados no site da CNBB.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

- Corrida Mundial de Submarinos -










Show de bola!

Não podia imaginar que era assim.

domingo, 22 de fevereiro de 2009

TVs católicas transmitem ao vivo abertura da CF 2009

Na Quarta-feira de Cinzas, 25, acontecerá a abertura oficial da Campanha da Fraternidade (CF) 2009, no Santuário de Aparecida, em Aparecida (SP).


A abertura da CF 2009 será marcada por uma missa, presidida pelo arcebispo de Aparecida, dom Raymundo Damasceno Assis, e concelebrada pelo secretário-geral da CNBB, dom Dimas Lara Barbosa, que será transmitida ao vivo, a partir das 9h, pela TV Aparecida, pela Rede Vida de Televisão e pela TV Século XXI.


Logo após a celebração eucarística, o secretário-geral da CNBB e o arcebispo de Aparecida concederão entrevista coletiva à imprensa. Durante a coletiva será divulgada a mensagem do papa Bento XVI sobre a Campanha da Fraternidade.


Este ano, a CF aborda o tema “Fraternidade e Segurança Pública” e o lema “A paz é fruto da justiça”.


Solicitado pela Pastoral Carcerária e pela Pastoral da Criança, com o apoio das demais pastorais e movimentos da Igreja, o tema “Segurança Pública” foi aprovado pelo Conselho Permanente da CNBB, há dois anos, e tem como objetivo suscitar o debate sobre Segurança Pública na sociedade, bem como sobre as causas da violência e a cultura do medo. Com a CF 2009, a Igreja quer convocar a sociedade a promover uma cultura de paz em todos os âmbitos sociais.


Realizada desde os anos 60, a Campanha da Fraternidade é uma atividade ampla de evangelização desenvolvida no período da Quaresma. A cada ano aborda um tema diferente, com os objetivos de despertar o espírito comunitário e cristão no povo, educar para a vida em fraternidade e renovar a consciênciada responsabilidade de todos pela ação da Igreja na evangelização.

Fonte: http://www.cnbb.org.br/ns/modules/news/article.php?storyid=1031

sábado, 21 de fevereiro de 2009

Lula pretende acelerar ações sociais

Para Lula, é fundamental intensificar reuniões individuais com ministros para acelerar ações sociais do governo federal

Por mais de cinco horas, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ouviu um relato minucioso sobre todos os projetos sociais realizados pelo governo federal em 16 ministérios. Para Lula, é fundamental intensificar as reuniões individuais com os ministros e secretários-executivos para acelerar as ações sociais do governo federal.

Nos próximos dias deverá ser anunciado o pacote nacional de habitação cuja meta é construir 1 milhão de moradias populares até o final de 2010. A ministra Dilma Rousseff (Casa Civil) fez uma exposição a Lula e aos demais colegas sobre a proposta para o pacote.

O objetivo das medidas é criar alternativas de financiamentos a juros menos elevados para que os trabalhadores de baixa renda tenham condições de ter acesso ao crédito mobiliário. Paralelamente, o presidente exige que as construções sejam de qualidade.

Ontem o presidente conversou com alguns governadores sobre as metas do pacote habitacional. Lula pretende pedir o apoio dos governadores e prefeitos para efetivar as medidas, mas encontra resistências por parte de técnicos da equipe econômica. Por isso, ao retornar do Carnaval, Lula pretende reunir-se com mais governadores e prefeitos para apelar por uma colaboração conjunta.

Durante a reunião realizada ao longo da manhã até o meio da tarde de hoje, os 14 ministros presentes apresentaram um balanço sobre a execução dos principais programas sociais, perspectivas e planos até o próximo ano.

Fonte: http://www.novojornal.net/politica_noticia.php?codigo_noticia=8874

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Faz sentido ou não?

1- GUIA PRÁTICO DA CIÊNCIA MODERNA:
  • 1. Se mexer, pertence à Biologia.
  • 2. Se feder, pertence à Química.
  • 3. Se não funciona, pertence à Física.
  • 4. Se ninguém entende, é Matemática.
  • 5. Se não faz sentido, é Economia ou Psicologia.
  • 6. Se mexer, feder, não funcionar, ninguém entender e não fizer sentido, é Informática.

2- LEI DA PROCURA INDIRETA:

  • 1. O modo mais rápido de se encontrar uma coisa é procurar outra.
  • 2. Você sempre encontra aquilo que não está procurando.

3- LEI DA TELEFONIA:

  • 1. Quando te ligam: se você tem caneta, não tem papel. Se tiver papel, não tem caneta. Se tiver ambos, ninguém liga.
  • 2. Quando você liga para números errados de telefone, eles nunca estão ocupados.
  • Parágrafo único: Todo corpo mergulhado numa banheira ou debaixo do chuveiro faz tocar o telefone.

4- LEI DAS UNIDADES DE MEDIDA:

  • Se estiver escrito 'Tamanho Único', é porque não serve em ninguém, muito menos em você...

5- LEI DA GRAVIDADE:

  • Se você consegue manter a cabeça enquanto à sua volta todos estão perdendo, provavelmente você não está entendendo a gravidade da situação.

6- LEI DOS CURSOS, PROVAS E AFINS:

  • 80% da prova final será baseada na única aula a que você não compareceu, baseada no único livro que você não leu.

7- LEI DA QUEDA LIVRE:

  • 1. Qualquer esforço para se agarrar um objeto em queda, provoca mais destruição do que se o deixássemos cair naturalmente.
  • 2. A probabilidade de o pão cair com o lado da manteiga virado para baixo é proporcional ao valor do carpete.

8- LEI DAS FILAS E DOS ENGARRAFAMENTOS:

  • A fila do lado sempre anda mais rápido.
  • Parágrafo único: Não adianta mudar de fila. A outra é sempre mais rápida.

9- LEI DA RELATIVIDADE DOCUMENTADA:

  • Nada é tão fácil quanto parece, nem tão difícil quanto a explicação do manual.

10- LEI DO ESPARADRAPO:

  • Existem dois tipos de esparadrapo: o que não gruda e o que não sai.

11- LEI DA VIDA:

  • 1. Uma pessoa saudável é aquela que não foi suficientemente examinada.
  • 2. Tudo que é bom na vida é ilegal, imoral, engorda ou engravida.

12- LEI DA ATRAÇÃO DE PARTÍCULAS:

  • Toda partícula que voa sempre encontra um olho aberto.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Anglicanos ordenam sacerdotisas

Nicolas Senèze, do jornal La Croix, 31-12-2008, analisa os últimos avanços da Igreja da Inglaterra com relação ao papel da mulher no seu clero. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Os anglicanos irão ordenar sacerdotisas?

Em 2005, o Sínodo Geral da Igreja da Inglaterra, o órgão de decisão mais importante da igreja anglicana na Inglaterra, havia pedido que fossem retirados os impedimentos legais aao acesso das mulheres ao episcopado. Reunidos no começo de julho em York, os 467 bispos, pastores e leigos membros do Sínodo Geral se pronunciaram novamente a favor das mulheres bispas. Mesmo que 14 das 38 províncias da Comunhão Anglicana (entre as quais a Escócia) já admitam esse princípio, a Igreja da Inglaterra está muito dividida quanto ao assunto: de fato, os “anglo-católicos” (anglicanos cujas práticas são muito próximas do catolicismo) e uma parte dos evangélicos rejeitam categoricamente os ministérios femininos (no anglicanismo, as mulheres podem ser pastoras desde 1992). O Sínodo Geral, recusando-se a criar, ao lado das duas províncias históricas de Canterbury e de York, uma terceira província extraterritorial sem ministérios femininos, havia pedido a um grupo de trabalho, presidido pelo Dr. Nigel Mcculloch, bispo de Manchester, que “permitisse acordos especiais no quadro das estruturas existentes na Igreja da Inglaterra, para aqueles que não são capazes de receber as mulheres como bispas ou pastoras”. O grupo de trabalhou apresentou o seu relatório na última semana de dezembro.

O que o grupo de trabalho prevê?

A solução que os 15 membros do grupo de trabalho optaram é criar “bispos complementares”, que seriam delegados junto às comunidades que recusam os ministérios femininos. Eles assegurariam os sacramentos nessas paróquias, que permaneceriam ainda sob a responsabilidade do bispo diocesano, seja homem ou mulher. Os bispos deverão publicar um “Código Prático” para gerir as relações entre os bispos diocesanos e os “bispos complementares”.

Os defensores da ordenação das mulheres se alegram por aquilo que consideram um passo adiante (mesmo que lamentem que nem todas as suas propostas tenham sido aceitas e não tenha sido proclamada uma absoluta igualdade entre ministérios masculinos e femininos). Aqueles que se opõem lamentam que os bispos diocesanos tenham, no futuro, a possibilidade de recusar que os bispos complementares atuem em uma paróquia da sua diocese. Alguns já preveem processos infinitos, ainda mais, destacam, que o “Código Prático” não terá nenhuma base legal e poderá ser atacado frente à justiça.

O que acontecerá?

O próximo Sínodo Geral da Igreja da Inglaterra, que se reunirá nos dias 9 a 13 de fevereiro, em Londres, deverá aprovar ou não o relatório apresentado em dezembro pelo grupo de trabalho. Se aceitar, o processo de revisão dos cânones da Igreja da Inglaterra iniciará em fevereiro de 2010. Segundo a BBC, as primeiras bispas poderão ser ordenadas dentro de três anos. “Não antes de 2014”, relativizou o porta-voz da Igreja da Inglaterra. De fato, as tensões entre as tendências liberais e as anglo-católicas são muito fortes.

Até julho, 1,3 mil dos 20 mil eclesiásticos ingleses – entre os quais 11 bispos! – haviam escrito aos arcebispos de Canterbury e de York ameaçando deixar a Igreja da Inglaterra se ela ordenasse mulheres bispas. Muitos pastores se aproximariam, portanto, da Igreja católica e, no começo de julho, o cardeal William Levada, prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, tinha escrito ao primaz da Traditional Anglican Communion, uma jurisdição já separada da Comunhão Anglicana, para assegurar-lhes que a Santa Sé estava dando uma “séria atenção” ao seu pedido de anexação à Igreja Católica.


Fonte: http://www.ihu.unisinos.br/

Bispos são ameaçados de morte na Amazônia


Eles evitam tomar ônibus, fazem com que seus fiéis amigos saibam os seus horários e raramente saem quando está escuro.

Para três bispos católicos estrangeiros sob ameaças de morte no estado do Pará, no norte do Brasil, falar contra os problemas sociais que afetam a área geralmente sem lei na foz do Rio Amazonas agora tem seu preço.

A reportagem é de Stuart Grudgings, publicada pela agência Reuters e pelo jornal New York Times, 10-02-2009. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Mesmo assim, eles se envolvem ruidosamente em questões de direito aqui, parte de uma tradição de padres católicos que vieram para a América Latina com as suas idéias formadas pela Teologia da Libertação da década de 70, que enfatiza a justiça para com os pobres e oprimidos.

É uma tradição que está morrendo, já que os missionários que vieram para cá nos anos 60, 70 e 80 estão ficando velhos e a vinda de padres da Europa e dos EUA vai minguando, visto que menos pessoas entram para a Igreja.

“Quando eu vim para cá pela primeira vez, havia muito mais padres estrangeiros. Agora, passam anos sem ninguém chegar”, diz o bispo Flavio Giovenale, um alto italiano com um sorriso cativante, que começou a sua primeira missão no Brasil há 34 anos.

Durante os últimos 11 anos, ele é bispo de Abaetetuba, uma cidade extremamente pobre às margens do Amazonas, a cerca de 120 Km a oeste da capital Belém. Ele enfrentou ameaças de morte frequentes por manifestar-se contra os problemas sociais e a criminalidade que cresceu constantemente, enquanto a área se tornou um ponto de trânsito para a cocaína, despachada por barco pelo maior rio do mundo até a Colômbia.

Aos 54 anos, ele é um dos mais jovens entre os 11 bispos nascidos no exterior, que geralmente se encontram nas linhas de fronteira das batalhas por direitos em razão dos altos níveis de violência, disputas por terras e tráfico de drogas, combinados com uma ampla ausência do governo. Os poderosos, incluindo políticos e policiais corruptos, são muitas vezes aqueles que têm mais a perder com as suas denúncias.

O Pará, o segundo maior estado da maior nação católica do mundo, tem um total de 13 bispos para uma população de cerca de sete milhões de pessoas.

Fim de uma era

Historicamente, a América Latina esteve entre as regiões mais perigosas para os missionários católicos. Cinco padres católicos foram mortos no continente em 2008, dentre os 20 mortos em todo o mundo, de acordo com a Congregação para a Evangelização dos Povos.

Os riscos que o clero enfrenta no Brasil ficaram evidentes em fevereiro de 2005, quando a irmã norte-americana de 73 anos, Dorothy Stang, foi morta a tiros segurando a sua Bíblia na remota cidade de Anapu, no Pará, onde ela defendia os direitos dos agricultores contra os poderosos donos de terras.

A Igreja e os oficiais de direitos humanos dizem que não há falta de padres brasileiros para assumir o lugar dos bispos nascidos no exterior mais velhos. Mas, com menos perfis e menos membros familiares morando no país, eles são muitas vezes mais vulneráveis às ameaças.

“Essa era acabou”, disse João Gierse, um padre de 48 anos que disse que nenhum companheiro alemão da ordem franciscana o acompanhou no Brasil desde que ele foi enviado em 1990. “A própria Europa não tem padres suficientes”.

Em 2007, havia 2.803 padres nascidos no exterior de um total de 18.685 padres no Brasil, afirmou a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) em uma nota. A CNBB não foi capaz de dar um número comparativo dos anos anteriores. Na Europa, o número de padres católicos caiu 20% entre 1978 e 2004, afirma o Vaticano.

Muitos dos missionários são mobilizadores comunitários que usam os seus púlpitos para ressaltar os abusos que, de outra forma, não seriam investigados. Felício Pontes, procurador da República, lembra que Ir. Dorothy Stang visitava-o regularmente em Belém para denunciar os abusos em Anapu.

“Eles são uma ponte entre as pessoas e nós”, disse.

Na Ilha do Marajó, na foz do Amazonas, o bispo Luiz Azcona atua em uma área que tem o tamanho da metade de Portugal, geralmente viajando em barco por dois dias para alcançar distantes ilhas infestadas de mosquitos.

As ameaças de morte contra ele começaram em 2007, depois que ele começou a se pronunciar contra os grupos de prostituição infantil que, afirma, crescem em uma área largamente não policiada.

“Todos os três bispos sob ameaças de morte no Pará têm uma coisa em comum – as denúncias que fizemos contra a exploração das crianças”, disse o espanhol Azcona, 68 anos.

O terceiro bispo sob ameaças no Pará, o austríaco de 69 anos Erwin Kräutler, tem guarda-costas armadas ao seu lado há dois anos na sua diocese de Altamira, de onde ele denunciou o desmatamento ilegal e outros negócios ilícitos, assim como os trâmites do assassinato da Ir. Dorothy Stang.

Negligência do Estado

Todos os três bispos estão, até certo ponto, tratando das consequências do desenvolvimento econômico insustentável. Em Abaetetuba, a construção de uma grande planta de alumínio na década de 80 trouxe milhares de trabalhadores migrantes para a área, mas não havia mais demanda de mão-de-obra desqualificada quando ela estava pronta e funcionando. Com uma falta de empregos, o tráfico de drogas se tornou central para a economia local.

“Quando esse tipo de exploração da Amazônia acabar, os problemas da prostituição infantil e outros crimes serão deixados para trás”, disse Pontes.

O caso que resultou em uma renovada rodada de ameaças de morte contra Giovenale foi uma combinação de pobreza, brutalidade e impunidade que amedronta os remotos municípios do Brasil.

Em outubro de 2008, a polícia de Abaetetuba colocou uma garota de 15 anos, presa por roubo, em uma cela com mais de 20 presos, todos homens, que estupraram e violentaram-na durante 21 dias, dizem os procuradores. Giovenale diz que a polícia torturou a menina porque ela tentou roubar a casa de um policial. Mais de um ano depois, diversos policiais foram transferidos a outras partes do Estado, mas nenhum foi investigado ou condenado.

“Nenhum desses órgãos estatais, esses que têm poder, chegou até nós como a Igreja. É por isso que respeitamos o Dom Flavio”, disse Diva Negrão Andrade, uma líder do grupo local de defesa dos direitos da criança que ajudou no resgate da menina e que também recebeu ameaças de morte.

Tanto Azcona quanto Giovenale, que, como muitos bispos aqui, preferem as camisetas aos hábitos litúrgicos, recusaram ofertas de proteção policial, afirmando que não desejam pôr outras pessoas em perigo.

“Para ser franco, eu tenho medo em grande parte do tempo, porque eu gosto de viver”, disse Giovenale. “Eu não sei o que vou fazer se as ameaças voltarem, mas espero ser capaz de continuar a ajudar, porque muitas vezes as pessoas não têm nenhum outro apoio”.

Fonte: http://www.unisinos.br/_ihu/index.php?option=com_noticias&Itemid=18&task=detalhe&id=19981

Infernópolis: o pecado de ser pobre

Ação da Polícia Militar de SP na segunda maior favela da cidade peca pela agressividade contra pobres e o direito de protestar, mistifica a origem dos confrontos e alimenta a idéia de "limpeza social".

Ação da Polícia Militar de SP na segunda maior favela da cidade peca pela agressividade contra pobres e o direito de protestar, mistifica a origem dos confrontos e alimenta a idéia de "limpeza social".

Na manifestação ocorreram quebradeiras provocadas por garotos que não têm muito a perder, mas não contavam com o apoio dos manifestantes e da Associação de Moradores. Quando se vive no limite, relegado a uma mobilidade restrita numa metrópole repleta de possibilidades, sem a presença efetiva de equipamentos públicos de qualidade, assombrado pela violência, pelo desemprego, miséria, álcool e rendimentos risíveis, a fronteira entre o legal e o ilegal é muito tênue. Não se trata simplesmente de "desvio de caráter", ou de vandalismo inconsequente como parte da imprensa e a própria SSP fez crer. Mas o teatro estava apenas no começo.

Paraisópolis é uma grande mancha urbana de pequenos casebres, alta densidade demográfica e com indicadores sociais perversos: apenas 0,45% dos jovens entre 18 e 24 anos estão no ensino superior. Em 1991 o índice era de 1,19%. Apenas 20% do mesmo grupo social estão no ensino médio (Moema tem percentual de 84%) e a baixa escolaridade colabora no desemprego: 1 em cada 4 adultos está sem trabalho. A renda média entre seus moradores é de R$ 367,00 ao passo que na cidade de São Paulo o valor chega a R$ 1.325,00. A degradação persistente da qualidade de vida destas pessoas desceu em profundidade abissal.

Ao seu redor encontramos situação inversa: cercada de edifícios majestosos, casas de alto padrão, com imensos terrenos gramados e arborizados, seguranças particulares e abastecidos de total infra-estrutura. Seus vizinhos gastam mais dinheiro num ano em manutenção das piscinas do que o Estado em educação a estes deserdados urbanos.

Cito esta contradição explícita na paisagem da geografia local para reforçar a idéia de que o convívio permanente entre os socialmente desiguais é sempre explosivo, apesar da repetitiva ladainha que o problema reside na personalidade das pessoas, que a delinqüência vem de berço e a violência está no sangue de alguns. Tolos, não percebem que este mesmo discurso embala as políticas de segurança pública há décadas sem solução definitiva.

Também não façamos coro com a tese dos "dois Brasis", pois as relações entre estes dois mundos são próximas. Trabalhar com o doméstica nestas residências é uma das principais fontes de empregos para as mulheres de Paraisópolis e o assistencialismo corre solto e evidencia sua incapacidade em apontar saídas: Kaká doou bolas, ONG´s distribuem alimentos e roupas, a BOVESPA montou uma Biblioteca, Colégio de classe alta da redondeza oferece bolsas de estudos, enfim, ações apoiadas em responsabilidade social que não dão conta de suprir a irresponsabilidade social dos governos constituídos.

Quando carros foram atacados, pneus queimados e comércios destruídos, num ato espontâneo de revolta contra uma realidade insuportável, a resposta foi o show da operação policial. Estar rodeado de ricos e, principalmente, muito próximos do Palácio do Governo de São Paulo, habitado e dirigido pelo Sr. José Serra, foi outro baita azar.

Na ótica do governo, era preciso agir e rápido. Primeiro, a desculpa padrão: a culpa é da própria população que protege os traficantes que atacaram a Polícia. Segundo, uma movimentação policial exemplar: desfile de viaturas pela Marginal do Rio Pinheiros mostrando que o Governador não tergiversa, age. Terceiro, a grande mídia entra em cena: como sempre criando cenários que levam a conclusão imediata de que a ação se justifica, e mortos e feridos são inevitáveis.

O mais irônico é que ocupar casas sem mandato de segurança virou rotina, matar jovens suspeitos, uma necessidade e, aterrorizar a população local, um aviso. Minha suspeita é que por detrás deste modus operandi, que se diga não é uma exclusividade de São Paulo, existe uma política mal disfarçada de redução das pressões populacionais por emprego e serviços públicos, que acomete principalmente crianças e adolescentes pelo Brasil afora. São grupos de extermínio institucionalizados e que comumente recebem aplausos de telespectadores confortavelmente instalados diante de seus televisores, e crentes de que o melhor foi feito.

Poderia haver o caminho do diálogo, sem dúvida nenhuma, houvesse interesse do Gabinete do Governador. O Cel. Ailton Araújo Brandão, comandante da ação em Paraisópolis tem, inclusive, folha corrida a este respeito. Ele foi um dos participantes daquela malfadada reunião ocorrida com a cúpula da Polícia Militar de SP e o PCC, em 2006, quando era Comandante da PM na ponta oeste do estado de São Paulo, justamente onde estavam presos os membros da cúpula da organização. Um ano depois recebeu o título de cidadão prudentino, com direito a almoço e placa da honraria pelos serviços prestados.

O Cel. Brandão apontou seu dedo para as novas tecnologias como culpada pelo sumiço de gravações contra a PM pela morte de 104 pessoas nos confrontos com o PCC. O gravador do 190 falhou e o backup automático também falhou.

Mas ele foi condecorado pela Assembléia Legislativa de São Paulo em setembro de 2007 como Comandante do Policiamento da Capital da Polícia Militar do Estado de São Paulo, junto com o Governador Serra. Recebeu importante medalha dos paulistanos, embora o povo de Paraisópolis possivelmente nem saiba que ela exista. Talvez por isso a raiva.

A PF também chegou ao referido Cel. através da Operação Santa Tereza. Em reportagem do jornal O Estado de S. Paulo foi revelado um esquema de distribuição de ingressos para uma festa de peão no interior de São Paulo com artistas consagrados. O "mimo" era a contrapartida pelo oferecimento de segurança pública a um prostíbulo privado que lavava dinheiro do BNDES na capital. Vê-se, portanto, que o crime maior não está em Paraisópolis, mas em outros lugares e o Cel. sabe quais são.

A ação da polícia é a síntese de uma imbricada teia de interesses que passa pela definição, a priori, de que pobre em favela é culpado antes de mais nada, de que é preciso fazer alguma coisa contra a criminalidade e é na favela que o tráfico manda. Humilhar pessoas, revistando-as, invadindo suas casas, num show travestido de caça aos traficantes explicita mais do que uma prática condenável, mas um tratamento de choque para um problema social.

A ocupação da favela de Paraisópolis na cidade de São Paulo, neste começo de fevereiro, é emblemática sobre o papel do tucanato diante dos problemas sociais no estado de São Paulo. Para fazer justiça, o Demo Kassab também foi condecorado na Assembléia Legislativa num ambiente agradável e de confraternização.

Pena que enquanto alguns desfrutam deste conto de fadas com dinheiro público outros vivem num inferno constante e são condenados ao castigo da morte lenta e silenciosa. Mesmo vivendo na "cidade do paraíso".

Ricardo Alvarez
Professor e editor do Blog Controvérsia

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Eu amo tudo o que foi

Eu amo tudo o que foi
Tudo o que já não é
A dor que já não me dói
A antiga e errônea fé
O ontem que a dor deixou
O que deixou alegria
Só porque foi, e voou
E hoje é já outro dia.



(Fernando Pessoa)

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Y Lula se 'comió' a la oposición

En la política brasileña se ha producido un fenómeno único en América Latina y quizás en el mundo: el carismático presidente de la República, Luiz Inácio Lula da Silva, y su Ejecutivo, que gozan de un 84% de popularidad tras seis años de Gobierno, se han comido a la oposición. Y no lo han hecho con métodos antidemocráticos, sino apropiándose de sus banderas.

Ya se sabía que Lula es un genio político, que ha sabido vencer las reticencias en el seno de su propio partido, el Partido de los Trabajadores (PT); de hecho, se dispone a elegir a una mujer, la ministra Dilma Rousseff, como su sucesora en la candidatura a la presidencia en 2010, a pesar de que nunca ha disputado unas elecciones y no es un personaje excesivamente grato para el PT. Pero lo que nadie imaginó jamás es que sería capaz de eliminar democráticamente a la oposición. Tanto a la de derechas como a la de izquierdas.

¿Cómo lo ha conseguido? Con una política que, poco a poco, ha ido segando la hierba bajo los pies de sus opositores. A la derecha le ha cortado las alas mediante una política macroeconómica neoliberal que le está proporcionando buenos resultados en estos momentos de crisis financiera mundial gracias a las reservas acumuladas.

Al mismo tiempo, ha puesto coto a las ínfulas de algunos de los movimientos sociales más radicales, como el de los Sin Tierra (MST), cuyas acciones ha criticado tachándolas de ilegales y a quienes ha conminado a respetar la ley vigente. Y también ha mantenido una política medioambiental más bien conservadora, algo que agrada a los terratenientes y grandes exportadores, que forman el núcleo más derechista del Parlamento.

También ha frenado a las izquierdas. Ha conseguido acallar a la izquierda minoritaria con una política volcada en las capas más pobres del país, que ha hecho que seis millones de familias hayan pasado a las filas de la clase media baja y abandonado su estado de miseria atávica. Ha abierto el crédito a los pobres, que ahora, con sólo cuatro euros, pueden abrir una cuenta en el banco y tener una tarjeta de crédito, lo que les convierte en partícipes de la rueda de la economía nacional.

A la otra izquierda, la moderada, también le ha puesto difíciles las cosas. Hoy en día, al Partido de la Social Democracia Brasileña (PSDB), la formación opositora con mayores posibilidades de ganar las próximas elecciones porque cuenta con dos grandes candidatos -los gobernadores de São Paulo, José Serra, y Minas Gerais, Aecio Neves-, le resulta más difícil que antes hacer oposición. Los dos aspirantes del PSDB saben que no podrán ser elegidos contra Lula. Por ello, sólo hablan, como acaba de hacerlo Neves, de una era "pos Lula", con un proyecto de nación que aporte algo nuevo al proyecto del presidente, que ya goza del consenso de la gran mayoría del país. Desde el primer día de su ascenso al poder, Lula ha mantenido a Henrique Meirelles, del PSDB, como presidente del Banco Central. Y ha conservado y ampliado el proyecto social Bolsa Escuela, creado por el PSDB, bautizándolo como Bolsa Familia. Este plan ayuda hoy a 12 millones de familias y ningún partido de la oposición se atrevería a criticarlo.

Desde su primer mandato, Lula no sólo ha sabido concitar las aportaciones de 12 partidos a su Gobierno, sino que hasta el momento ha logrado mantener una amistad personal con los candidatos opositores Serra y Neves; ambos, además, disfrutan de buenas relaciones con el PT, e incluso no descartan gobernar junto al partido de Lula si llegan al poder.

¿Pero de verdad no hay espacio para la oposición en Brasil? Porque, si así fuera, hay quien lo considera un grave obstáculo para una auténtica democracia. Podría haberlo, según varios analistas políticos, como Merval Pereira, pero el problema radica en que la oposición se ha asustado con la popularidad de Lula. Incluso hay políticos opositores, sobre todo de los Gobiernos locales, que buscan una foto junto a Lula para ganar puntos ante su electorado.

Si la oposición quisiera, dicen los especialistas, podría exigir a Lula que llevara a cabo las grandes reformas que este país aún necesita para despegar a nivel mundial, como la reforma política (¿se puede gobernar con 30 partidos en el Parlamento?), la fiscal (Brasil es uno de los países del mundo con mayor carga tributaria: roza el 40%), la de la Seguridad Social (Lula sólo la ha logrado en parte y, a pesar de un escándalo de sobornos a diputados para que votaran a favor, se quedó pequeña), la agraria (no ha salido del papel), la de la educación (en Brasil aún no es obligatoria la enseñanza secundaria y la calidad de ésta es de las peor valoradas en el mundo) y, por último, la penitenciaria (los suicidios de los presos aumentaron el año pasado en un 40%).

Pero todo ello choca con el muro de la dialéctica política de Lula: su carisma acaba neutralizando incluso a quienes antaño fueron sus mayores antagonistas.

Fonte: http://www.elpais.com/articulo/internacional/Lula/comio/oposicion/elpepuint/20090216elpepuint_2/Tes

domingo, 15 de fevereiro de 2009

Pastoral da Juventude celebra sua 9ª Assembléia Diocesana



Neste último final de semana, 14 e 15/02, realizou-se no Colégio Marista em Criciúma a 9ª Assembléia Diocesana da Pastoral da Juventude da Diocese de Criciúma. Jovens de diferentes paróquias, comarcas, grupos de jovens, comunidades, realidades e pensamentos reuniram-se para celebrar, direcionar e avaliar à luz do tema Pastoral da Juventude: Identidade e Missão e lema "O que não tem sabor de vida, não merece nossa escolha" (Pe. Ludgero Buss) toda a caminhada da Pastoral da Juventude nesses últimos três anos, bem como trazer presente e celebrar toda a sua bonita história e edificação em busca da civilização do amor.

A Assembléia contou com uma empenhada equipe de preparação(EPA), que planejou e organizou todos os detalhes para o seu sucesso. Sucesso, que se deu também pela construção efetiva de todo o processo preparatório que antecedeu a esse bonito evento: a vida e celebração das comunidades e dos grupos que avaliaram às suas/nossas realidades e trouxeram importantes informações que puderam assim formar subsídios no intuito de fornecer dados de como anda o rosto da Juventude diocesana. A assessoria da assembléia ficou sob a coordenação de Geraldo Pires(Pé) da ONG Trilha Cidadã, que incitou a toda a Juventude uma reflexão para com esse rosto da Juventude da Diocese de Criciúma: discutiu-se, avaliou-se e estudou-se em grupos o quanto se pôde avançar ao longo desses anos. Foram atividades iniciadas, projetos realizados, sonhos concretizados. Muitas alegrias (como a criação da Escola Diocesana de Evangelização da Juventude-EDEJU, estruturação de uma equipe de comunicação diocesana, construção de materiais em parceria com outras pastorais e serviços, subsídios para os grupos de base, etc) que reavivaram o rosto jovem e puderam trazer novas perspectivas para com os jovens da diocese. Também percebeu-se e foi-se de encontro com as "pedras existentes no caminho", as dificuldades do dia-a-dia que muitas vezes são obstáculos para esse crescimento contínuo: constatou-se, discutiu-se e apresentou-se soluções para que a nova Coordenação possa dispor de prioridades que nortearão as linhas do plano de ação da Pastoral Juventude da Diocese de Criciúma.

A Assembléia também foi momento para se memorizar toda a caminhada de 11 anos da Pastoral da Juventude na Diocese e eleger a sua nova coordenação. A imagem do eterno amigo Pe. Ludgero Buss esteve sempre presente na memória e na celebração das importantes conquistas que conseguiu-se realizar ao longo dessa construção permanente. No encaminhamento da nova coordenação diocesana, aconteceu a indicação do então coordenador da Pastoral da Juventude da Comarca de Araranguá e da Equipe de comunicação da PJ, Marcos Tramontin Serafim, cujo o qual contemplou a todos os critérios exigidos pelo regimento da assembléia e, consequentemente, teve seu nome aclamado como novo Coordenador Diocesano da Pastoral da Juventude da Diocese de Criciúma. A nova coordenação, além de ter Marcos como coordenador geral, será também composta pelos membros das coordenações comarcais da Pastoral da Juventude.

Teve-se ainda importantes presenças na 9ª assembléia como o administrador diocesano Pe. Wilson Buss, o assessor referencial da PJ diocesana Pe. Bento Zilli, bem como outros assessores da PJ como Gláucio Mota, Gilberto Trombim, Neuza Mafra(ex-coordenadora diocesana de pastoral), além da presença do secretário regional das PJ's de Santa Catarina, Rodrigo da Silva.

Ao final da Assembléia realizou-se a celebração de envio coordenada por Pe. Wilson e Pe. Bento e prestou-se homenagem aos, agora, ex-membros da Coordenação Diocesana(Jordana, Barzan e Robinho). A 9ª Assembléia da PJ encontrou total êxito na disposição dos seus objetivos e na participação de todos para a realização destes. A PJ segue firme em busca da civilização do amor, trazendo....

"No rosto da Juventude, sorriso e virtude virando canção".
(Zé Vicente)

Mais fotos? Clique aqui!

Fonte: www.pjdiocri.blogspot.com

sábado, 14 de fevereiro de 2009

Espiritualidade da PJ



Nossa espiritualidade


Espiritualidade
A espiritualidade é o que nos alimenta e nos dá vida. É o sopro de Deus que age em nosso ser. Todos nós temos já pela escolha de Deus um espírito que nos anima. Essa espiritualidade necessita ser alimentada no dia-a-dia e no contato íntimo com Deus através da palavra, que nos leva a se comprometer com o outro e a outra, com a comunidade e com a transformação de tudo que é contrário ao que Deus quer. Por isso dizemos que a espiritualidade da Pastoral da Juventude é:

Cristocêntrica – centrada em Jesus, amigo companheiro de caminhada.

Mariana – Maria se compromete com o projeto de Deus. É exemplo de fidelidade, disponibilidade, entrega.

Comunitária e eclesial – pois é no grupo e comunidade na que o jovem se identifica, partilha suas experiências e sonhos.

Leiga e Missionária – a presença do espírito nos grupos e comunidades instiga o jovem a servir os outros e a descobrir sua vocação missionária.

Encarnada e libertadora – O filho de Deus se encarna na realidade humana. Tem uma ligação de fé e vida. Tal presença é ativa e efetiva lutando pela libertação.

Orante – valoriza os momentos de oração pessoal e comunitária. A liturgia e as celebrações expressam a espiritualidade que nos alimenta e anima.

Celebrativa – a alegria da juventude manifesta-se na celebração da vida e do Espírito como festa inspirada na vitória pascal. A realização de encontros, festas, liturgia, caminhadas... são momentos de viver o Deus-felicidade que nos anima e revigora para a ação concreta.

A Teologia da Libertação é a nossa referência com a fundamentação da fé e o compromisso de luta e pé no chão. Nossa opção é de uma espiritualidade da libertação e da opção da Igreja pelos pobres. Podemos dizer então que a espiritualidade das Pastorais da Juventude é uma espiritualidade da alegria e anúncio de Jesus da vida, com a cara e o jeito da juventude.
Por isso necessitamos investir na nossa formação espiritual, participando e realizando momentos de estudo da palavra, Escolas Bíblicas e Litúrgicas e conhecimento do Ofício Divino das Comunidades e da Leitura Orante, para cultivar uma espiritualidade inculturada e ecumênica.

Espiritualidade e Mística - Construídas na auto-avaliação da PJ no seminário nacional da PJB em julho 2003
Falta a compreensão de qual é a mística da PJ; é necessário reafirmar nossa Espiritualidade Cristocêntrica e Mariana, encarnada na realidade de comunhão e participação; (Ajuda a entender que esse jeito se dá na prática. Não só entender mas ajudar a ver que nossa espiritualidade e mística são propostas que perpassam nossa vida e nosso cotidiano); Como fazer chegar à base os instrumentos pelos quais fazemos opção? Falta motivar para a criação de novos cantos e instrumentos e, também, fazer conhecer os existentes; Trabalhar uma fé que sustente para a luta; Ter clareza dos ritos (conhecer, entender e saber); Falta formação para espiritualidade; Falta um “lema”, um eixo comum. Uma “marca” da espiritualidade da PJ; Estabelecer mais parcerias (CEBs, Rede Celebra...) para proporcionar Escolas Bíblicas, Litúrgicas, Ofício Divino das Comunidades, Leitura Orante da Bíblica... A PJ deveria ter um CD de cantos, Ofícios, mantras... Estabelecer um “projeto” de espiritualidade nos moldes do SINM. Estudar Jesus a partir de indicativos relacionados por ano; Ter instrumentos com menos custos (ou grátis) e que cheguem; Que o próprio Jornal Juventude seja instrumento dessa ação, de forma sistemática e não com matérias.

Eclesialidade
Somos desafiados (as) a viver dentro da Macro-Igreja Hierárquica. Mas com resistência. Enfrentamos e fazemos acontecer. Muitas vezes reproduzimos o Poder da Hierarquia da Igreja em nossa organização. Questionamento: Dentro da Igreja nossa prática é coletiva?

Dimensão Política
O ANALFABETO POLÍTICO
"O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe que o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas. O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política... Não sabe o imbecil que, da sua ignorância política nasce a prostituta, o menor abandonado, o assaltante e o pior de todos os bandidos, que é o político vigarista, pilantra, o corrupto e lacaio das empresas nacionais e multinacionais".
(Bertold Brecht)

A Pastoral da Juventude exerce o papel fundamental de: Fomentar nos jovens senso crítico e capacidade de analisar a realidade cultural e social do mundo onde vivem. Formar os jovens na Doutrina Social da Igreja e nas ciências humanas para transformar a estrutura. Ajudar o jovem a integrar sua dimensão de fé com o compromisso sóciopolítico.

Levar o jovem a conhecer o Marxismo, o Capitalismo Liberal, a Doutrina da Segurança Nacional, para que possa dar respostas adequadas a estas ideologias a partir do Humanismo Cristão e discernir, nos sinais dos tempos, os que são enganadores e ilusórios.
No engajamento sóciopolítico a PJ precisa trabalhar ao mesmo tempo pela conversão dos corações e pela melhoria das estruturas.

Os Meios de Comunicação modernos muitas vezes são utilizados por determinados grupos para infiltrar nos jovens ideologias e práticas anti-comunitárias. É necessário, portanto, formar o senso crítico da juventude diante das mensagens transmitidas pela imprensa, rádio, cinema e televisão. O desenvolvimento do senso crítico deveria ser uma preocupação da Pastoral da Juventude.
Finalmente, deve-se insistir na formação moral dos jovens, formação pessoal, social e política, fundamentada nos valores do Reino. Ela deve impulsionar os jovens e adolescentes a uma honestidade de princípios que dê primazia ao social face aos interesses individuais, que leve à opção pelo compromisso político e à consciência de cidadania inspirados na Fé. (Pastoral da Juventude do Brasil. Documentos da CNBB - 44)

"A discussão política, para ser conseqüente, exige o conhecimento mínimo de conceitos básicos, que forma o "politiquês" no Brasil. A politização do jovem, necessária para transformá-lo em cidadão consciente e participativo, exige certa familiaridade com a cultura e a história". (Juventude Consciente - Xico Graziano - 2002, Editora Pontes)

A Pastoral da Juventude é herdeira de uma história que vem sendo construída em nosso país desde 1930 com a chamada Ação Católica.
A Pastoral da Juventude do Brasil mantém uma estrutura que parte dos grupos de jovens articulados em coordenações nos diversos níveis e ambientes.
“Só uma Juventude organizada, será uma juventude forte”. (PUEBLA, 1185/1188)


Fonte: PJ Maringá-PR
http://www.pjmaringa.com.br/v9/index.php?option=com_content&view=article&id=66:nossa-espiritualidade&catid=21:historia&Itemid=45